Com a maior acessibilidade e o barateamento da tecnologia, está cada vez maior o uso de aparelhos eletrônicos nos domicílios brasileiros. Segundo o Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (CETIC.Br), no Nordeste, por exemplo, 97% das residencias possuem pelo menos uma TV, 86% têm telefone celular e 19% computador portátil.

De acordo com a Accenture, multinacional de consultoria de gestão, o Brasil é o maior consumidor de equipamentos eletrônicos do planeta. E, como todos os anos são lançados novos tipos de aparelhos, gera-se uma dúvida: o que acontece com os eletrônicos descartados?

Para solucionar questões como essa é que foram criadas ações como a Ambiente Brasil Sustentável (Ambrasus), cooperativa que trabalha com a destinação correta de resíduos sólidos e eletrônicos. “A gente perguntava qual destino dar e ninguém sabia. Alguns tiravam as partes que davam dinheiro, como o cobre e o metal, e o resto era lixo”, lembra João Paulo Brasil Carvalho, idealizador e fundador do projeto. “Daí eu fui para Curitiba para aprender o que era lixo eletrônico, para dar um destino correto, e então a gente resolveu abraçar essa causa e fazer parceria com as empresas que compram esses materiais”.

Uma das principais questões apontadas por João Paulo é a falta de consciência das pessoas sobre o que é resíduo eletrônico e, por isso, muitos desse materiais vão parar junto com o lixo comum. O idealizador da Ambrasus conta que eles recebem cerca de 1,1 tonelada de rejeitos – como TVs, celulares, máquinas de lavar, computadores, dentre outros – o que ainda é pouco comparado com a quantidade de lixo produzido por pessoa. “Isso traz um grande problema para o meio ambiente porque eles contêm materiais pesados como mercúrio, cádmio, chumbo, que em contato com o solo prejudica bastante tanto o lençol freático, como a vida útil dos animais e do próprio ser humano".

Esta preocupação com a conscientização e educação ambiental também é uma das diretrizes de empresas como a CallDesk. De acordo com Edward Oliveira, analista de marketing, a CallDesk já conseguiu reduzir 80% dos resíduos gerados que iam para o aterro sanitário e 100% do lixo eletrônico.

Edward enfatiza que este tipo de iniciativa acaba gerando uma relação mais sadia e humana para a sociedade além de despertar a consciência dos colaboradores. O analista de marketing também conta que a empresa já ganhou vários prêmios de práticas sustentáveis e que tem como um dos projetos para o futuro montar um ponto de coleta para funcionários e para o bairro.

Reciclagem

Tal como Ambrasus, a Ecoletas Ambiental também trabalha com a coleta, descaracterização, descontaminação e destinação dos rejeitos eletrônicos. Ao recolher o material descartado, os resíduos passam por pesagem, seguido da classificação por tipo de equipamento e desmontagem, como explica Wilson Rocha, diretor do Ecoletas.

Esse tipo de empresa trabalha em cima da logística reversa, um procedimento de manufatura com destinação final à reciclagem que gera novos recursos e matérias-primas para o ciclo produtivo. Para tal, a Ecoletas emite termos e certificados de coleta ou de entrega para as grandes empresas e cidadãos comprometidos com o descarte correto.

Outro tipo de preocupação desse tipo de empresa é com a proteção de dados. Como elas recebem muitos celulares e computadores, por exemplo, faz parte do procedimento padrão furar ou destruir os HDs e cartões de memória para impossibilitar qualquer tipo de resgate indevido de informação.

De acordo com Wilson Rocha, a Ecoletas recebe todo tipo de equipamento eletrônico, desde fios a lâmpadas e pilhas, responsabilizando-se pela separação e descaracterização dos elementos e destinação para empresas especializadas. Um dos clientes do Ecoletas Ambiental é a Coelce. Para Sérgio Araújo, especialista da área de meio ambiente da companhia, o procedimento é importante pois "quando você recicla, além de não produzir resíduos, deixa matéria-prima na natureza para o futuro".

De acordo com Sérgio, faz parte do princípio da Coelce a preocupação com a reciclagem e o descarte correto de resíduos. Além de programas como o Ecolce e a Coleta Verde, a empresa ainda tem a prática de indenizar clientes quando os aparelhos eletrônicos param de funcionar. "Nós recolhemos o produto e fazemos a destinação correta".

Coleta

Para ter acesso aos serviços de coleta e a destinação correta de eletrônicos, o cliente deve, em primeiro lugar, fazer o levantamento dos aparelhos que se quer descartar. Em seguida basta entrar em contato com as empresas de logística reversa, as quais possuem serviço de coleta residencial para quantidades substanciais de produtos. Outra alternativa é seguir diretamente para as sedes e entregar o equipamento sem qualquer ônus.

Mais informações:

- Ambiente Brasil Sustentável Telefone: 3284.6704 9601.9061.

- Ecoletas

Telefone: 3295.2179